quinta-feira, novembro 18, 2010

Loucuras noturnas

Sabe eu li Harry Potter demais antes de dormir e tive um sonho fucking estranho. Como ele nem sequer fazia muito sentido, não me lembro mais de muito mais além dos elementos sem sentidos da minha pequena loucura noturna.
Haviam burros brancos que eram iguais aos "My Little Pony' só que em carne e osso, e falantes. Sim, eles falavam. E estavam me ensinando literatura e gramática. E não a nossa literatura e a nossa gramática. Eu nunca tinha ouvido falar naquela matéria em toda minha vida, era um estudo sobre orações corridas e adversas (como condições adversas de tempo)...ou qualquer coisas parecida. E eles puxavam charretes que pareciam brinquedos de parquinho pela ruas de Uberaba.
E os burros também tinham uma casinha linda no meio de um parquinho, no meio de Uberaba, e lá eles andavam sobre duas patas as vezes. E eu entrei lá com alguns amigos para conversar - com os burros, sobre literatura - quando eu voltava do show do David Guetta.
E o show do David Guetta era num galpão abandonado. Mágico. Na verdade era um lugar enorme, a céu aberto e extremamente encatandor. Perfeito para um show. Mas parecia um galpão até darmos o primeiro passo para dentro da construção. Uma coisa totalmente Hogwarts e seus feitiços anti-trouxas.
E então, minha adorada biblioteca da 108/308 sul era um buraco dimensional para o mundo bruxo e muitos, muitos outros mundos. E por isso ficava lacrada para que ninguém pudesse entrar. Mas de alguma maneira eu sabia que já havia estado lá.
E o seu Otávio, velho conhecido da família, aparecia no sonho perambulando pela biblioteca e pelas árvores encontrando juras de amor gravadas a canivete pela esposa falecida (que in fact está viva, muito bem, obrigada).
E tinha uma caverna onde se escondia o mundo dos dragões, como em Como Treinar Seu Dragão (o filme). E tinha um dragão, falante, que estava fazendo investidas dentro da caverna para matar os amiguinhos dragões almejando ser o dragão dominante em Brasília. E ele era o único ser que poderia entrar na biblioteca sem ser afetado para desvendar para mim os segredos dela.
Mas ele não queria que ninguém soubesse do extermínio que estava fazendo,mas já haviam descoberto, afinal eu sabia sem que ele tivesse me contado.
E as salas de aula pareciam um tribunal circular.

Oh sim, o dragãohitler já havia matado um dragão que outrora fizera eu e meus companheiros (não identificados) corrermos risco de vida antes. E eu planejava entrar na caverna dos dragões no mesmo dia em que ele entrasse na biblioteca.

Sei não...acho que estou tomando café demais. Preciso é de um uísque duplo para os nervos.

Um comentário:

Lô Maciel disse...

hahahaha Dragãohitler
eu ri xD sonhos são sempre divertidos
ma belle adorei o seu blog...super encantador e com pontos que me lembram muito você, como é o caso de cafés e chocolates quentes pelas cafeterias da cidade.
:*